Retina Humana Ampla

Um novo estudo revela que as bactérias intestinais podem ser responsáveis ​​pela perda de visão em certas doenças oculares hereditárias, sugerindo o potencial para tratamento antimicrobiano. Esta descoberta oferece esperança para tratamentos alternativos para prevenir a cegueira nos indivíduos afetados.

As bactérias intestinais associadas a doenças oculares hereditárias podem ser tratáveis ​​com antimicrobianos, sugere um estudo inovador, que oferece uma nova esperança na prevenção da cegueira.

A perda de visão em certas doenças oculares hereditárias pode ser causada por bactérias intestinais e é potencialmente tratável por antimicrobianos, revela um novo estudo em ratos co-liderado por um pesquisador da UCL e Moorfields.

O estudo internacional observou que em olhos com perda de visão causada por uma mutação genética específica, conhecida por causar doenças oculares que levam à cegueira, foram encontradas bactérias intestinais nas áreas danificadas do olho.

Mutação genética e invasão bacteriana

Os autores do novo artigo, publicado na revista Célula e liderados conjuntamente por investigadores na China, afirmam que as suas descobertas sugerem que a mutação genética pode relaxar as defesas do corpo, permitindo assim que bactérias nocivas cheguem aos olhos e causem cegueira.

O intestino contém trilhões de bactérias, muitas das quais são essenciais para uma digestão saudável. No entanto, eles também podem ser potencialmente prejudiciais.

Os pesquisadores estavam investigando o impacto do gene Crumbs homólogo 1 (CBR1), que é conhecido por ser expresso na retina (a fina camada de células na parte posterior do olho) e é crucial para construir a barreira sangue-retina para regular. o que flui dentro e fora do olho.

O gene CRB1 está associado a doenças oculares hereditárias, mais comumente formas de amaurose congênita de Leber (LCA) e retinite pigmentosa (RP); o gene é a causa de 10% dos casos de LCA e 7% dos casos de RP em todo o mundo.

Descobertas inovadoras e implicações futuras

Usando modelos de camundongos, a equipe de pesquisa descobriu que o gene CRB1 é fundamental para controlar a integridade do trato gastrointestinal inferior, a primeira observação desse tipo. Lá, combate patógenos e bactérias nocivas, regulando o que passa entre o conteúdo do intestino e o resto do corpo.

A equipe descobriu que quando o gene tem uma mutação específica, diminuindo sua expressão (reduzindo seu efeito), essas barreiras tanto na retina quanto no intestino podem ser rompidas, permitindo que as bactérias no intestino se movam através do corpo e cheguem ao olho, levando a lesões na retina que causam perda de visão.

Crucialmente, o tratamento destas bactérias com antimicrobianos, como antibióticos, foi capaz de prevenir a perda de visão nos ratos, embora não tenha reconstruído as barreiras celulares afetadas no olho.

As doenças oculares hereditárias são a principal causa de cegueira em pessoas em idade ativa no Reino Unido. O início da doença pode variar desde a primeira infância até à idade adulta, mas a deterioração é irreversível e tem implicações para toda a vida. Até à data, o desenvolvimento de tratamentos centrou-se largamente em terapias genéticas.

As descobertas deste estudo sugerem que o simples uso de antimicrobianos pode ajudar a prevenir a deterioração das doenças oculares hereditárias associadas ao CRB1. Trabalhos futuros irão investigar se isso se aplica em humanos.

Transformando o tratamento para doenças oculares

O coautor principal, Professor Richard Lee (UCL Institute of Ophthalmology e Moorfields Eye Hospital NHS Foundation Trust), disse: “Encontramos uma ligação inesperada entre o intestino e o olho, que pode ser a causa da cegueira em alguns pacientes.

“Nossas descobertas podem ter enormes implicações na transformação do tratamento de doenças oculares associadas ao CRB1. Esperamos continuar esta investigação em estudos clínicos para confirmar se este mecanismo é de facto a causa da cegueira nas pessoas e se os tratamentos direcionados às bactérias podem prevenir a cegueira.

“Além disso, como revelamos um mecanismo inteiramente novo que liga a degeneração da retina ao intestino, as nossas descobertas podem ter implicações para um espectro mais amplo de doenças oculares, que esperamos continuar a explorar com estudos adicionais.”

Referência: “A degeneração retinal associada ao CRB1 depende da translocação bacteriana do intestino” por Shanzhen Peng, Jing Jing Li, Wanying Song, Ye Li, Lei Zeng, Qiaoxing Liang, Xiaofeng Wen, Haitao Shang, Keli Liu, Peiyao Peng, Wei Xue, Bin Zou, Liu Yang, Juanran Liang, Zhihui Zhang, Shixin Guo, Tingting Chen, Wenxuan Li, Ming Jin, Xiang-Bin Xing, Pengxia Wan, Chunqiao Liu, Haotian Lin, Hong Wei, Richard WJ Lee, Feng Zhang e Lai Wei, 26 de fevereiro de 2024, Célula.
DOI: 10.1016/j.cell.2024.01.040

O estudo foi uma colaboração internacional liderada por pesquisadores do Centro Oftalmológico de Zhongshan, Universidade Sun Yat-sen, China, trabalhando com o Instituto de Oftalmologia da UCL e o Moorfields Eye Hospital NHS Foundation Trust.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.