Ilustração artística da terra do meteorito de fogo

Pesquisadores liderados pela Universidade Johns Hopkins desmentiram as alegações de que as ondas sonoras de uma bola de fogo de meteoro de 2014 foram responsáveis ​​pelas vibrações perto de Papua Nova Guiné, revelando que a causa real era um caminhão. Esta descoberta lança dúvidas sobre a suposta recuperação de “materiais alienígenas” do fundo do oceano relacionados com o meteoro, com análises posteriores mostrando que os materiais são meteoritos comuns ou contaminantes terrestres.

As ondas sonoras que se pensa serem provenientes de uma bola de fogo de meteoro de 2014, a norte da Papua Nova Guiné, eram quase certamente vibrações de um camião que roncava ao longo de uma estrada próxima, mostra uma nova investigação liderada pela Universidade Johns Hopkins. As descobertas levantam dúvidas de que os materiais retirados do oceano no ano passado sejam materiais estranhos daquele meteoro, como foi amplamente divulgado.

“O sinal mudou de direção ao longo do tempo, correspondendo exatamente a uma estrada que passa pelo sismógrafo”, disse Benjamin Fernando, sismólogo planetário da Johns Hopkins que liderou a pesquisa. “É realmente difícil captar um sinal e confirmar que não é de alguma coisa. Mas o que nós pode O que fazemos é mostrar que existem muitos sinais como este e mostrar que têm todas as características que esperaríamos de um camião e nenhuma das características que esperaríamos de um meteoro.”

A equipe apresentou suas descobertas em 12 de março na Conferência de Ciência Lunar e Planetária em Houston.

Interpretação incorreta dos dados do meteoro

Depois que um meteoro entrou na atmosfera da Terra sobre o Pacífico Ocidental em janeiro de 2014, o evento estava vinculado às vibrações do solo registadas numa estação sísmica na Ilha Manus, na Papua Nova Guiné. Em 2023, materiais no fundo do oceano perto de onde se pensava que os fragmentos do meteoro caíram foram identificados como de “tecnologia extraterrestre” origem (alienígena).

Mas, segundo Fernando, essa suposição se baseia em dados mal interpretados e o meteoro na verdade entrou na atmosfera em outro lugar. A equipe de Fernando não encontrou evidências de ondas sísmicas provenientes do meteoro.

Ilha Manus

Área próxima à estação sísmica na Ilha Manus, com base em imagens de satélite adquiridas em 24 de março de 2023. Crédito: Roberto Molar Candanosa e Benjamin Fernando/Johns Hopkins University, com imagens do CNES/Airbus via Google.

“A localização da bola de fogo estava, na verdade, muito longe de onde a expedição oceanográfica foi para recuperar esses fragmentos de meteoros”, disse ele. “Eles não apenas usaram o sinal errado, mas também estavam procurando no lugar errado.”

Usando dados de estações na Austrália e em Palau concebidas para detectar ondas sonoras provenientes de testes nucleares, a equipa de Fernando identificou uma localização mais provável para o meteoro, a mais de 160 quilómetros da área inicialmente investigada. Eles concluíram que os materiais recuperados do fundo do oceano eram minúsculos meteoritos comuns – ou partículas produzidas a partir de outros meteoritos que atingiram a superfície da Terra misturadas com contaminação terrestre.

“O que quer que tenha sido encontrado no fundo do mar não tem nenhuma relação com este meteoro, independentemente de ser uma rocha espacial natural ou um pedaço de uma nave espacial alienígena – embora suspeitemos fortemente que não eram alienígenas”, acrescentou Fernando.

Reunião: Conferência de Ciência Lunar e Planetária



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.