Por

Médico mostrando placenta

Pesquisadores da Universidade do Novo México descobriram microplásticos em todas as amostras testadas de placenta humana, revelando uma presença preocupante dessas partículas no corpo humano.

Os microplásticos detectados em todas as placentas humanas examinadas apontam para contaminação ambiental significativa e riscos para a saúde, sendo necessárias pesquisas futuras para compreender todas as implicações.

Uma série de estudos recentes descobriu que os microplásticos estão presentes em praticamente tudo o que consumimos, desde água engarrafada até carne e alimentos vegetais. Agora, pesquisadores de Ciências da Saúde da Universidade do Novo México usaram uma nova ferramenta analítica para medir os microplásticos presentes nas placentas humanas.

Em estudo publicado em 17 de fevereiro na revista Ciências Toxicológicasuma equipe liderada por Matthew Campen, PhD, Professor de Regentes no Departamento de Ciências Farmacêuticas da UNM, relatou ter encontrado microplásticos em todas as 62 amostras de placenta testadas, com concentrações variando de 6,5 a 790 microgramas por grama de tecido.

Preocupações com a saúde e metodologia de estudo

Embora esses números possam parecer pequenos (um micrograma é um milionésimo de grama), Campen está preocupado com os efeitos na saúde de um volume cada vez maior de microplásticos no meio ambiente.

“Se observarmos efeitos nas placentas, então toda a vida dos mamíferos neste planeta poderá ser afetada. Isso não é bom.”

Matthew Campen, PhD, Professor de Regentes no Departamento de Ciências Farmacêuticas da UNM

Para os toxicologistas, “a dose faz o veneno”, disse ele. “Se a dose continuar subindo, começamos a nos preocupar. Se observarmos efeitos nas placentas, então toda a vida dos mamíferos neste planeta poderá ser afetada. Isso não é bom.”

No estudo, Campen e sua equipe, em parceria com colegas do Baylor College of Medicine e da Oklahoma State University, analisaram tecido placentário doado. Num processo chamado saponificação, eles trataram quimicamente as amostras para “digerir” a gordura e as proteínas em uma espécie de sabão.

Em seguida, eles centrifugaram cada amostra em uma ultracentrífuga, o que deixou uma pequena pepita de plástico no fundo do tubo. Em seguida, usando uma técnica chamada pirólise, colocaram o pellet de plástico em um copo de metal e aqueceram-no a 600 graus. Celsiusentão capturou as emissões de gases como diferentes tipos de plástico queimados em temperaturas específicas.

“A emissão de gás vai para um espectrômetro de massa e fornece uma impressão digital específica”, disse Campen. “É muito legal.”

Prevalência e tipos de plásticos encontrados

Os pesquisadores descobriram que o polímero mais prevalente no tecido placentário era o polietileno, usado para fazer sacolas plásticas e garrafas. Foi responsável por 54% do total de plásticos. O cloreto de polivinila (mais conhecido como PVC) e o náilon representaram, cada um, cerca de 10% do total, sendo o restante composto por outros nove polímeros.

Marcus Garcia, PharmD, pós-doutorado no laboratório de Campen que realizou muitos dos experimentos, disse que até agora tem sido difícil quantificar a quantidade de microplástico presente no tecido humano. Normalmente, os pesquisadores simplesmente contariam o número de partículas visíveis ao microscópio, mesmo que algumas partículas fossem pequenas demais para serem vistas.

Com o novo método analítico, disse ele, “podemos dar o próximo passo para sermos capazes de quantificá-lo adequadamente e dizer: ‘Isso é quantos microgramas ou miligramas’, dependendo dos plásticos que temos”.

Impacto Ambiental e Implicações para a Saúde

O uso de plástico em todo o mundo cresceu exponencialmente desde o início da década de 1950, produzindo uma tonelada métrica de resíduos plásticos para cada pessoa no planeta. Cerca de um terço do plástico produzido ainda está em uso, mas a maior parte do restante foi descartada ou enviada para aterros sanitários, onde começa a se decompor devido à exposição à radiação ultravioleta presente na luz solar.

“Isso acaba nas águas subterrâneas e, às vezes, aerossoliza e acaba no nosso meio ambiente”, disse Garcia. “Não o obtemos apenas por ingestão, mas também por inalação. Não afecta apenas a nós humanos, mas também a todos os nossos animais – galinhas, gado – e todas as nossas plantas. Estamos vendo isso em tudo.”

Campen ressalta que muitos plásticos têm uma meia-vida longa – a quantidade de tempo necessária para que metade de uma amostra se degrade. “Portanto, a meia-vida de algumas coisas é de 300 anos e a meia-vida de outras é de 50 anos, mas entre agora e 300 anos parte desse plástico se degrada”, disse ele. “Esses microplásticos que vemos no meio ambiente têm provavelmente 40 ou 50 anos.”

Embora os microplásticos já estejam presentes no nosso corpo, não está claro quais os efeitos para a saúde que podem ter, se houver. Tradicionalmente, presume-se que os plásticos sejam biologicamente inertes, mas alguns microplásticos tão pequenos que são medidos em nanómetros – um bilionésimo de metro – e são capazes de atravessar as membranas celulares, disse ele.

Preocupações Futuras e Direções de Pesquisa

Campen disse que a crescente concentração de microplásticos nos tecidos humanos pode explicar o aumento intrigante de alguns tipos de problemas de saúde, como doenças inflamatórias intestinais e cancro do cólon em pessoas com menos de 50 anos, bem como a diminuição da contagem de esperma.

A concentração de microplásticos nas placentas é particularmente preocupante, disse ele, porque o tecido só cresce há oito meses (começa a formar-se cerca de um mês após a gravidez). “Outros órgãos do seu corpo estão se acumulando durante períodos de tempo muito mais longos.”

Campen e os seus colegas estão a planear mais pesquisas para responder a algumas destas questões, mas entretanto estão profundamente preocupados com a crescente produção de plásticos em todo o mundo.

“Está apenas piorando e a trajetória é que dobrará a cada 10 a 15 anos”, disse ele. “Portanto, mesmo que parássemos com isso hoje, em 2050 haverá três vezes mais plástico no fundo do que há agora. E não vamos parar com isso hoje.”

Referência: “Quantificação e identificação de acúmulo de microplásticos em amostras de placenta humana usando espectrometria de massa por cromatografia gasosa de pirólise” por Marcus A Garcia, Rui Liu, Alex Nihart, Eliane El Hayek, Eliseo Castillo, Enrico R Barrozo, Melissa A Suter, Barry Bleske, Justin Scott, Kyle Forsythe, Jorge Gonzalez-Estrella, Kjersti M Aagaard e Matthew J Campen, 17 de fevereiro de 2024, Ciências Toxicológicas.
DOI: 10.1093/toxsci/kfae021



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.