Cheiro Longevidade Abstrato

Um estudo da Universidade de Otago revelou que sinais sensoriais do sexo oposto, como cheiros, podem afetar o envelhecimento e a saúde dos animais, mostrando redução da fertilidade e aumento da mortalidade em ratos machos expostos a odores femininos. Isto sublinha o impacto significativo das experiências sensoriais na saúde a longo prazo e nos processos de envelhecimento.

Um estudo liderado pela Universidade de Otago descobriu que os sinais sensoriais do sexo oposto podem influenciar o envelhecimento dos animais.

O autor principal, Professor Associado Mike Garratt, do Departamento de Anatomia, diz que pesquisas já mostraram que interações com o sexo oposto podem acelerar o envelhecimento. Este estudo se baseou nisso, mostrando que apenas as pistas sensoriais podem gerar esses efeitos.

“Isto fornece um exemplo de como a informação detectada pelos nossos sistemas sensoriais – o que vemos, ouvimos e cheiramos – pode ter efeitos a longo prazo no nosso corpo e até influenciar a saúde e o envelhecimento”, diz ele.

Para o estudo, publicado em Anais da Royal Society B, pesquisadores de Otago e da Universidade de Nova Gales do Sul testaram se a exposição aos odores femininos influenciava a mortalidade e o envelhecimento reprodutivo em ratos machos. Camundongos machos foram alojados em quatro ambientes: sozinhos; com duas mulheres; sozinho mas com exposição a aromas de duas fêmeas ausentes; ou alojado com duas fêmeas junto com o cheiro de duas fêmeas ausentes. Quando os machos eram velhos, todos eram pareados com as fêmeas para avaliar a fertilidade.

Os pesquisadores descobriram que os homens expostos a sinais olfativos femininos, ou sinais químicos de cheiro, da meia-idade à velhice, reduziram a fertilidade mais tarde na vida. Os machos expostos aos odores das fêmeas em conjunto com o acasalamento também apresentaram um aumento na taxa de mortalidade.

Implicações e considerações futuras

Não se sabe por que estes efeitos ocorreram, mas o professor associado Garratt diz que os resultados destacam como a percepção sensorial dos parceiros pode ser um importante impulsionador das compensações na história de vida dos mamíferos.

A exposição aos feromônios é muito importante para os camundongos no contexto da reprodução, diz ele, mas outros sinais poderiam influenciar os humanos, como aqueles que causam estresse crônico, o que poderia ter efeitos generalizados na nossa saúde.

“Sabe-se que os estímulos sensoriais influenciam a liberação de hormônios que podem ter efeitos fisiológicos de curto prazo em animais e humanos. É concebível que estes efeitos possam “aumentar-se” e estender-se para influenciar a nossa saúde. Deveríamos pensar no ambiente em que vivemos, como o percebemos, que sentimentos ele provoca, e tomar nota disso, pois isso pode ter consequências a longo prazo para o nosso corpo”, diz ele.

Referência: “A exposição a sinais olfativos femininos acelera o envelhecimento reprodutivo e aumenta a mortalidade durante o acasalamento em ratos machos” por Michael Garratt, Heather Try, Christine Neyt e Robert C. Brooks, 28 de fevereiro de 2024, Anais da Royal Society B.
DOI: 10.1098/rspb.2023.1848



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.