Por

Ilustração de superbactéria

Uma nova pesquisa revela que cães e gatos de estimação são portadores significativos de bactérias resistentes a antibióticos, facilitando a propagação para humanos. O estudo, que analisou amostras de animais de estimação e proprietários em Portugal e no Reino Unido, encontrou evidências de transmissão direta de bactérias multirresistentes, sublinhando a necessidade de uma monitorização abrangente e de melhores práticas de higiene nos agregados familiares com animais de estimação.

Descobriu-se que cães e gatos de estimação em Portugal e no Reino Unido abrigam as mesmas bactérias resistentes a antibióticos que os seus donos.

Uma nova pesquisa a ser apresentada no Congresso Global da ESCMID em Barcelona, ​​Espanha, de 27 a 30 de abril, indica que cães e gatos de estimação contribuem significativamente para a propagação de bactérias resistentes a antibióticos.

O estudo encontrou evidências de transmissão de bactérias multirresistentes entre cães e gatos doentes e os seus donos saudáveis ​​em Portugal e no Reino Unido, levantando preocupações de que os animais de estimação possam atuar como reservatórios de resistência e, assim, ajudar na propagação da resistência a medicamentos vitais.

A resistência aos antibióticos está a atingir níveis perigosamente elevados em todo o mundo. As infeções resistentes aos medicamentos matam mais de 1,2 milhões de pessoas por ano em todo o mundo e, prevendo-se que o número aumente para 10 milhões até 2050 se nenhuma ação for tomada, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a resistência aos antibióticos como uma das maiores ameaças à saúde pública. enfrenta a humanidade.

Detalhes e descobertas do estudo

“Pesquisas recentes indicam que a transmissão de bactérias de resistência antimicrobiana (RAM) entre humanos e animais, incluindo animais de estimação, é crucial na manutenção dos níveis de resistência, desafiando a crença tradicional de que os humanos são os principais portadores de bactérias AMR na comunidade”, afirma o investigador principal. Juliana Menezes, do Laboratório de Resistência aos Antibióticos do Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa.

“Compreender e abordar a transmissão de bactérias AMR de animais de estimação para humanos é essencial para combater eficazmente a resistência antimicrobiana em populações humanas e animais.”

A Sra. Menezes e colegas testaram amostras de fezes e urina e esfregaços de pele de cães e gatos e seus proprietários para Enterobacterales (uma grande família de bactérias que inclui E. coli e Klebsiella pneumoniae) resistente a antibióticos comuns.

Eles se concentraram em bactérias resistentes às cefalosporinas de terceira geração (usadas para tratar uma ampla gama de doenças, incluindo meningite, pneumonia e sepse; são classificadas entre os antibióticos mais importantes para a medicina humana pela Organização Mundial da Saúde) e carbapenêmicos (parte da última linha de defesa quando outros antibióticos falharam). O estudo prospectivo longitudinal envolveu cinco gatos, 38 cães e 78 humanos de 43 domicílios em Portugal e 22 cães e 56 humanos de 22 domicílios no Reino Unido.

Todos os humanos eram saudáveis. Todos os animais de estimação apresentavam infecções de pele e tecidos moles (IPST) ou infecções do trato urinário (ITU).

Evidência de transmissão entre animais de estimação e humanos

Em Portugal, um cão (1/43 animais de estimação, 2,3%) foi colonizado por uma espécie multirresistente produtora de OXA-181. Escherichia coli variedade. OXA-181 é uma enzima que confere resistência aos carbapenêmicos.

Três gatos e 21 cães (24/43 animais de estimação, 55,8%) e 28 proprietários (28/78 proprietários, 35,9%) abrigavam Enterobacterales produtoras de ESBL/Amp-C. Estes são resistentes às cefalosporinas de terceira geração.

Em cinco domicílios, um com gato e quatro com cachorros, tanto o animal quanto o dono eram portadores de bactérias produtoras de ESBL/AmpC. A análise genética mostrou que as cepas eram iguais, indicando que a bactéria passou entre o animal e o dono. Em uma dessas cinco famílias, um cão e seu dono também tinham a mesma cepa de vírus resistente a antibióticos. Pneumonia por Klebsiellae.

No Reino Unido, um cão (1/22 animal de estimação, 14,3%) foi colonizado por duas cepas de cepas multirresistentes E. coli produzindo NDM-5 beta-lactamase. Esses E. coli eram resistentes às cefalosporinas de terceira geração, aos carbapenêmicos e a diversas outras famílias de antibióticos. Enterobacterales produtoras de ESBL/AmpC foram isoladas de oito cães (8/22 animais de estimação, 36,4%) e três proprietários (3/24 proprietários, 12,5%).

Em dois domicílios, tanto o cão quanto o dono eram portadores da mesma bactéria produtora de ESBL/AmpC. Não foi possível comprovar a direção da transmissão, no entanto, em três dos lares de Portugal, o momento dos testes positivos para a bactéria produtora de ESBL/AmpC sugere fortemente que, pelo menos nestes casos, a bactéria estava a ser passou de animal de estimação (dois cães e um gato) para humano.

Recomendações e Conclusões

A Sra. Menezes, uma estudante de doutoramento, afirma: “As nossas descobertas sublinham a importância de incluir os agregados familiares que possuem animais de estimação nos programas nacionais que monitorizam os níveis de resistência aos antibióticos. Aprender mais sobre a resistência nos animais de estimação ajudaria no desenvolvimento de intervenções informadas e direcionadas para salvaguardar a saúde animal e humana.”

As bactérias podem ser transmitidas entre animais de estimação e humanos por meio de carícias, toques ou beijos e através do manuseio de fezes. Para prevenir a transmissão, os investigadores recomendam que os proprietários pratiquem uma boa higiene, incluindo lavar as mãos depois de acariciar o seu cão ou gato e depois de manusear os seus resíduos.

“Quando o seu animal de estimação não estiver bem, considere isolá-lo em um cômodo para evitar a propagação de bactérias pela casa e limpe bem os outros cômodos”, acrescenta Menezes.

Todos os cães e gatos foram tratados com sucesso para suas infecções. Os proprietários não tinham infecções e por isso não necessitavam de tratamento.

Reunião: ESCMID Global (ECCMID 2024)



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.