Duas cobras corais competindo por presas anfíbias

Pela primeira vez, duas cobras corais de cauda vermelha foram documentadas competindo por comida na natureza, revelando cleptoparasitismo dentro da família Elapidae. Esta rara observação destaca os comportamentos complexos das cobras venenosas e sugere que tais interações são subnotificadas na natureza. Crédito: Henrik Bringsøe e Niels Poul Dreyer

Duas cobras corais de cauda vermelha foram vistas travando uma batalha por uma cecília, marcando o primeiro caso registrado de cleptoparasitismo na natureza entre a família Elapidae.

O cleptoparasitismo, ou roubo de comida, é um comportamento bem documentado em muitos animais espécies mas raramente é relatado entre cobras em habitats naturais.

A observação, detalhada em um estudo recente publicado na revista de acesso aberto Herpetose de Henrik Bringsøe e Niels Poul Dreyer, mostra os dois Micrurus mipartitus cobras envolvidas em um cabo de guerra sobre o anfíbio sem membros.


Duas cobras corais competindo por presas anfíbias. Crédito: Henrik Bringsøe e Niels Poul Dreyer

As cobras elapid são venenosas e estão entre as serpentes mais mortíferas do mundo. Existem mais de 400 espécies que compreendem um grupo muito diversificado de cobras, como mambas, cobras, kraits, taipans, cobras tigre, víboras mortais, cobras marinhas e cobras corais.

A batalha ocorreu nas densas florestas tropicais do Valle del Cauca, oeste da Colômbia. Surpreendentemente, na briga, uma cobra também mordeu o corpo da outra. No entanto, os pesquisadores sugerem que isso provavelmente foi acidental.

Após 17 minutos de observação, a cobra coral perdida soltou sua mordida na cecília. O vencedor então se afastou da cobra perdedora que não o seguiu.


Crédito: Henrik Bringsøe e Niels Poul Dreyer

O estudo sugere que, embora tais comportamentos possam ser mais comuns em cativeiro devido a ambientes controlados, a sua ocorrência na natureza tem sido largamente subnotificada, provavelmente devido à natureza esquiva destes répteis e aos desafios de observá-los nos seus habitats naturais.

“As cobras em cativeiro costumam fazer isso quando apenas uma presa é oferecida em um terrário com duas ou mais cobras. Mas é bastante surpreendente que não tenha sido observado com mais frequência na natureza”, diz o autor principal Henrik Bringsøe.

Este caso esclarece as interações da cobra coral com espécies de presas. Cecílias, como a deste estudo, mostraram adaptações notáveis, como resistência a toxinas e aumento da produção de muco.

Referência: “Cleptoparasitismo em Micrurus mipartitus (Squamata, Elapidae) competindo pela mesma Caecilia sp. (Gymnophiona, Caeciliidae) no oeste da Colômbia” por Henrik Bringsøe e Niels Poul Dreyer, 22 de março de 2024, Herpetozoa.
DOI: 10.3897/herpetozoa.37.e112716



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.