Evento Pré e Pós Extinção de Recife

Reconstrução artística de uma cena submarina do final do Triássico antes (esquerda) e depois (direita) de um evento de extinção relacionado às mudanças climáticas. Crédito: Maija Karala

Um estudo recente aproveitou o registo fóssil para obter conhecimentos sobre as características que tornam os animais mais susceptíveis à extinção devido às alterações climáticas. Esta pesquisa tem como objetivo identificar espécies actualmente mais ameaçadas pelas alterações climáticas antropogénicas. As descobertas foram publicadas recentemente na revista Ciência.

As alterações climáticas passadas (muitas vezes causadas por alterações naturais nos gases com efeito de estufa devido à actividade vulcânica) foram responsáveis ​​pela extinção de inúmeras espécies durante a história da vida na Terra. Mas, até à data, não ficou claro quais os factores que fazem com que as espécies sejam mais ou menos resilientes a tais mudanças, e como a magnitude das alterações climáticas afecta o risco de extinção.

Liderado por investigadores da Universidade de Oxford, este novo estudo procurou responder a esta questão analisando o registo fóssil de espécies marinhas. invertebrados (como ouriços-do-mar, caracóis e mariscos) nos últimos 485 milhões de anos. Os invertebrados marinhos possuem um registo fóssil rico e bem estudado, tornando possível identificar quando e potencialmente porque é que as espécies são extintas.

Principais características e fatores identificados pelo estudo que determinam o risco de espécies à extinção relacionada às mudanças climáticas

Infográfico que resume as principais características e fatores identificados pelo estudo que determinam o risco de extinção das espécies devido às mudanças climáticas. Crédito: Miranta Kouvari (Design Gráfico Científico).

Utilizando mais de 290.000 registos fósseis cobrindo mais de 9.200 géneros, os investigadores reuniram um conjunto de dados de características-chave que podem afectar a resiliência à extinção, incluindo características não estudadas em profundidade anteriormente, como a temperatura preferida. Esta informação sobre características foi integrada com dados de simulação climática para desenvolver um modelo para compreender quais os factores que eram mais importantes na determinação do risco de extinção durante as alterações climáticas.

Principais conclusões:

  • Os autores descobriram que as espécies expostas a maiores mudanças climáticas tinham maior probabilidade de serem extintas. Em particular, as espécies que sofreram alterações de temperatura de 7°C ou mais ao longo dos estágios geológicos foram significativamente mais vulneráveis ​​à extinção.
  • Os autores também descobriram que as espécies que ocupam extremos climáticos (por exemplo, nas regiões polares) eram desproporcionalmente vulneráveis ​​à extinção, e os animais que só podiam viver numa faixa estreita de temperaturas (especialmente faixas inferiores a 15°C) tinham significativamente mais probabilidade de se extinguir. .
  • No entanto, o tamanho da distribuição geográfica foi o preditor mais forte do risco de extinção. Espécies com áreas geográficas maiores tinham significativamente menos probabilidade de serem extintas. O tamanho do corpo também era importante, com espécies de corpo menor com maior probabilidade de extinção.
  • Todas as características estudadas tiveram um impacto cumulativo no risco de extinção. Por exemplo, espécies com áreas geográficas pequenas e faixas térmicas estreitas eram ainda mais suscetíveis à extinção do que espécies que apresentavam apenas uma dessas características.

Cooper Malanoski (Departamento de Ciências da Terra, Universidade de Oxford), primeiro autor do estudo, disse: ‘Nosso estudo revelou que a distribuição geográfica foi o mais forte preditor do risco de extinção de invertebrados marinhos, mas que a magnitude das mudanças climáticas também é um importante preditor de extinção, o que tem implicações para a biodiversidade hoje em dia. O rosto da mudança climática.’

Com as actuais alterações climáticas provocadas pelo homem já a levar muitas espécies à beira da extinção, estes resultados poderão ajudar a identificar os animais que estão em maior risco e informar estratégias para os proteger.

A autora principal, Professora Erin Saupe (Departamento de Ciências da Terra, Universidade de Oxford), disse: “As evidências do passado geológico sugerem que a biodiversidade global enfrenta um futuro angustiante, dadas as estimativas projetadas das mudanças climáticas. Em particular, o nosso modelo sugere que as espécies com amplitudes térmicas restritas inferiores a 15°C, que vivem nos pólos ou nos trópicos, correm provavelmente o maior risco de extinção. No entanto, se a mudança climática localizada for suficientemente grande, poderá levar a uma extinção significativa a nível global, aproximando-nos potencialmente de uma sexta extinção em massa.’

De acordo com a equipa de investigação, o trabalho futuro deverá explorar a forma como as alterações climáticas interagem com outros potenciais factores de extinção, como a acidificação dos oceanos e a anóxia (onde a água do mar fica sem oxigénio).

O estudo envolveu também investigadores da Faculdade de Ciências Geográficas, Universidade de Bristol. O professor Dan Lunt, da Universidade de Bristol, disse: “Este estudo mostra que, ao longo da história da Terra, o risco de extinção da vida marinha tem estado inextricavelmente ligado às alterações climáticas. Isto deveria funcionar como um aviso severo para a humanidade, à medida que continuamos imprudentemente a causar as alterações climáticas através da queima de combustíveis fósseis.’

Referência: “A mudança climática é um importante preditor de risco de extinção em escalas de tempo macroevolutivas” por Cooper M. Malanoski, Alex Farnsworth, Daniel J. Lunt, Paul J. Valdes e Erin E. Saupe, 7 de março de 2024, Ciência.
DOI: 10.1126/science.adj5763



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.